Ponte tem proposta de nome Maria Felipa

O projeto visa praticar justiça reparadora ao fortalecer a memória da guerreira de raiz africana. Por Miriam Hermes e Redação


Publicado no jornal A Tarde


A indicação de projeto ao governo do estado aumentou as chances de a ponte Salvador-Itaparica ganhar a denominação de “Maria Felipa”, em homenagem a uma das principais lideranças femininas na vitória sobre Portugal pela Independência do Brasil.

O projeto visa praticar justiça reparadora ao fortalecer a memória da guerreira de raiz africana, reconhecida por historiadoras como a mulher capaz de organizar batalhões de outras moradoras da ilha de Itaparica para atacar os portugueses.

Entre as estratégias de mobilização, como não dispunham de armas convencionais, as itapariquenses teriam utilizado-se de folhas de plantas de efeito incômodo, como cansanção, com as quais surraram os “gajos”, depois de atraí-los em locais ermos.

A iniciativa de nomear a ponte de Maria Felipa partiu da Comissão de Direitos Humanos e de Defesa da Democracia Makota Valdina, da Câmara de Vereadores de Salvador.Este projeto é de suma importância tendo em vista a necessidade de valorização dos heróis e heroínas nacionais, das lutas abolicionistas, da história e da representatividade do povo negro, dando ênfase à participação feminina, que geralmente sofre tentativa de apagamento”, explica a vereadora Marta Rodrigues, autora do projeto.

A resistência proporcionada pelas ações de Maria Felipa e suas companheiras de luta vem sendo atualizada no Brasil contemporâneo devido à necessidade de repudiar a misoginia e o racismo praticados ilegalmente inclusive por autoridades federais.

A reivindicação pelo reconhecimento da importância da marisqueira e pescadora Maria Felipa de Oliveira partiu da Coordenação Nacional de Entidades Negras, entre outros movimentos sociais.