Salvador ganha VLT em monotrilho a partir de abril de 2022

Atualizado: 12 de dez. de 2021

Ele vai sair do bairro do Comércio e se dirigir até a Ilha de São João, em Simões Filho, transportando, em média, 150 mil pessoas por dia.

Por Lício Ferreira


Publicado na Tribuna da Bahia

Foto: Romildo de Jesus / Tribuna da Bahia

A partir de abril de 2022, Salvador vai ganhar um modelo de transporte sobre monotrilho: o Veículo Leve de Transporte (VLT). Ele vai sair do bairro do Comércio e se dirigir até a Ilha de São João, em Simões Filho, transportando, em média, 150 mil pessoas por dia. Este sistema terá, ainda, uma extensão que sairá de São Joaquim (Comércio) em direção à Estação Acesso Norte do Metrô.

A Ordem de Serviço para inicio das obras foi assinada, na manhã desta terça-feira (10), na estação ferroviária da Calçada pelo governador Rui Costa e terão um custo de aproximadamente R$ 2 bilhões. A proposta do Governo do Estado é que o novo sistema de transporte moderno e confortável facilite a vida das 600 mil pessoas que moram na região e venha a gerar mais oportunidades de negócios e emprego.

O contrato para implantação do novo modal de transporte para Salvador foi assinado em fevereiro passado pelo Governo do Estado. Nesta terça foi assinada a Ordem de Serviços. A previsão é que as intervenções sejam concluídas em 24 meses. Quando estiver operando, o VLT substituirá o atual sistema de trens do subúrbio, que faz a linha Estação da Calçada ao bairro de Paripe. A obra será realizada por meio da modalidade de Parceria Público-Privada (PPP).

APORTE DE RECURSOS

A Metrogreen Skyrail Concessionária da Bahia (Skyrail Bahia) – empresa que vai tocar as obras – disse através do seu diretor Alexandre Barbosa que o projeto do VLT é uma Parceria Público Privada (PPP) e que a primeira fase está orçada em R$1,5 bilhão. “O governo vai aportar R$ 100 milhões e o resto é participação nossa. Serão duas etapas de construção do projeto. A primeira anunciada, hoje, pelo governador compreende 19,2 km com 21 estações”, sintetiza.

Quanto à segunda fase do projeto, de São Joaquim (Comércio) até a Estação Acesso Norte do Metrô, Alexandre Barbosa esclareceu que está em estudo para ser assinado um aditivo contratual. “Nós, ainda não temos um valor definido da segunda fase da obra”. Já a superintendente de Mobilidade da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Grace Gomes adiantou que o Governo do Estado está avaliando o valor a ser pago. “Eles nos apresentaram o projeto agora. Estamos em análises dos valores. Mas, uma coisa é certa: o valor terá a mesma base do acordado no trecho inicial. E o mais importante: os dois trechos serão entregues dentro do prazo, ou seja, em abril de 2022”. A segunda fase do projeto do VLT monotrilho terá mais cinco estações.


ALVARÁS E LICENÇAS

Ainda conforme Grace Gomes, “a integração física do VLT Monotrilho com o sistema de metrô de Salvador se adequará à lógica de mobilidade do Governo do Estado, o que viabiliza o funcionamento dos modais em um sistema de rede, através de serviços complementares.

Questionada sobre possíveis pendências para o Governo deslanchar o projeto ela confessou: “Ainda dependemos de alguns alvarás para a obra começar. Mas, a gente acredita que até janeiro consigamos os alvarás da Prefeitura de Salvador e da Superintendência de Patrimônio da União (SPU. E, com isso, a gente inicie as obras em fevereiro do ano que vem. A licença ambiental já nos foi dada pelo Inema e publicada, hoje, no Diário Oficial. Na licitação, a gente já tinha esta licença, que agora foi republicada. Mas, com a ampliação do percurso até a Estação Acesso Norte (metrô), a empresa SkyRail teve que entrar com um outro pedido”.

A gestora estadual acrescentou: “Precisamos de alvarás de construção da Prefeitura e da SUP, por quê várias áreas pertencem a União. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) também nos solicitou algumas modificações no projeto. E nós estamos reapresentando. São coisas que a gente acredita que, neste final de dezembro, e no próximo mês de janeiro, a gente esteja com toda documentação em mãos para começar as obras em fevereiro. De qualquer forma, a primeira parte da obra, é aqui dentro da estação da Calçada, onde será implantado o canteiro de obras. Lógico, que não interfere em nada no lado externo. Em janeiro já vamos começar a implantação do canteiro”, garantiu.

Sobre possíveis desapropriações nas áreas, por onde o traçado permite, ela disse que “serão retirados apenas os imóveis localizados na faixa de operação do VLT monotrilho e que os proprietários receberão indenizações assistidas de acordo com as benfeitorias realizadas”.

PROPULSÃO ELÉTRICA

Na fase 1 do projeto, o VLT monotrilho passara pelas estações: Porto, São Joaquim, Calçada, Baixa do Fiscal, Santa Luzia, Suburbana, Lobato, União, São João, Plataforma, São Braz, Itacaranha, Escada, Praia Grande Periperi, Setúbal, Coutos, Paripe e São Luiz até chegar ao destino final: Ilha de São João. A fase 2 vai percorrer quatro quilômetros, ligando a região de São Joaquim até a estação Acesso Norte (metrô), passando pela Via Expressa. O sistema completo terá um total de 23.28km de extensão saindo da Ilha de São João (Simões Filho) até a Estação Acesso Norte.

O VLT a ser implantado em Salvador será movido à propulsão elétrica, sem emissão de agentes poluentes que prejudicam o meio ambiente. Ele é rápido, seguro e confortável. E será equipado com sistema de ar-condicionado e Wi-Fi. Devido à tração elétrica, que não envolve a emissão de gases poluentes, o impacto ambiental que ele trará é mínimo. Silencioso, o modal será equipado com eixo único, rodas de propulsão e rodas estabilizadoras de borracha, garantindo estabilidade.

Além disso, demandará uma faixa estreita na via, o que causa menor impacto urbano durante a operação e implementação. Por ser do tipo monotrilho só é possível ele ser construído sobre vigas. O modelo da Skyrail Bahia é formado por uma estrutura de liga de alumínio, equipado com eixo único, pneus de propulsão e pneus estabilizadores, o que o torna estável e silencioso. Tem a capacidade de transportar de 600 passageiros em uma composição de quatro carros e pode atingir uma velocidade de até 90 km/h.

Com este novo modal, Salvador vai elevar o conceito de mobilidade urbana a outro nível, promovendo a integração entre os cidadãos e permitindo o melhor aproveitamento de todos os outros sistemas de transporte já existentes, como a frota rodoviária e o metrô. Tudo isso com base na sustentabilidade, com mais tecnologia e sem emitir poluentes.

QUEM É A SKYRAIL

A Skyrail Concessionária da Bahia S.A. (Skyrail Bahia) veio através do Contrato de Concessão nº. 01/2019, na modalidade Parceria Público-Privada, entre a Build Your Dreams (BYD), gigante global especializada em energia limpa, e o Governo do Estado da Bahia. Com isso, a Skyrail Bahia torna-se a responsável pela criação de uma nova realidade de transporte público, compreendendo a implantação, operação e manutenção do VLT (Veículo Leve de Transporte) do Subúrbio de Salvador.

A empresa comprometeu-se em desenvolver e administrar esta importante infraestrutura com responsabilidade, agilidade e qualidade. Desta forma, todos esperam uma parceria bem sucedida e destinada ao desenvolvimento da Região Metropolitana de Salvador.