Grupo protesta contra derrubada de árvores e tamponamento de rios com obras do BRT de Salvador

Atualizado: 29 de nov. de 2021

Prefeitura alega que o projeto já prevê compensação por árvores retiradas. Por G1 BA


Postado no G1 BA

Manifestantes fizeram caminhada na Avenida ACM contra BRT — Foto: Grupo Ambientalista da Bahia

Um grupo de pessoas protestou no canteiro da Avenida ACM, em Salvador, neste domingo (22), contra as obras do Bus Rapid Transit (BRT). Segundo os manifestantes, a implantação do BRT vai causar a derrubada de árvores e o tamponamento de rios. A prefeitura alega que o projeto já prevê a compensação por árvores retiradas.


O grupo se concentrou por volta das 9h no trecho do canteiro em frente ao hospital Aliança. No final da manhã, saiu em caminhada para o Parque da Cidade e o protesto foi finalizado por volta das 13h.

Conforme a prefeitura, no total, serão 154 árvores suprimidas e 169 serão transplantadas para o entorno dos próprios corredores do BRT e do Parque da Cidade. Ainda segundo a prefeitura, 1,7 mil novas espécimes de árvores oriundas da Mata Atlântica serão plantadas em toda a cidade como uma compensação. A administração também afirma que serão realizadas obras de macro e microdrenagem nos rios da região. Os manifestantes, no entanto, afirmam que o projeto do BRT, que inclui três fases, deve causar a derrubada de 579 árvores. "Esse é o numero que está no estudo de impacto ambiental que foi feito por consultoria da prefeitura. A prefeitura contesta com base em um trecho que não é total. Mas 579 são da Lapa é até Iguatemi", afirma uma das manifestantes, que prefere não se identificar.

Eles também afirmam que o tamponamento vai causar "morte" dos rios da região, que já estão poluídos e necessitariam de revitalização.

A professora de Direito Ambiental, bióloga e advogada, Aidê Batista, diz que, apesar da compensação das árvores, elas seriam insubstituíveis.

"São 579 árvores adultas que vão ser derrubadas, que são insubstituíveis. Quantos ecossistemas e animais elas abrigam, na copa das árvores e no solo. Não tem nenhuma justificativa para derrubar essas árvores adultas para fazer BRT. Vai mexer com o microclima de Salvador com a derrubada das árvores", justifica.


Protesto contra BRT em Salvador — Foto: Grupo Ambientalista da Bahia

Compensação

Conforme a prefeitura, a compensação das árvores já começou na semana passada, com o início do plantio de 300 novas árvores na Via Expressa, todas de espécimes da Mata Atlântica.


Outras 1,7 mil árvores serão plantadas no entorno do BRT, que vai ligar a Estação da Lapa à região da rodoviária. Na primeira etapa das obras, executadas pelo Consórcio BRT, os corredores irão ligar o Parque da Cidade à região da rodoviária, num investimento de R$ 212,7 milhões, obtidos via financiamento junto à Caixa Econômica Federal, com a geração de 700 empregos diretos.


As obras da primeira etapa de obras do Bus Rapid Transit (BRT) de Salvador começaram no dia 29 de março. O trecho de 2,9 km de extensão ligará a região do Parque da Cidade à estação do metrô da Rodoviária.


Segundo a prefeitura, as obras serão concluídas em 28 meses pelo Consórcio BRT Salvador, formado pela Camargo Correa e Geométrica Engenharia. O valor para execução da primeira etapa é de R$ 212.781.070,50, oriundos de financiamento junto à Caixa Econômica Federal. Cerca de 700 empregos diretos serão gerados com as obras.


O ônibus BRT vai trafegar em vias exclusivas e com ar-condicionado, em percurso que poderá ser feito em cerca de 15 minutos. O sistema será integrado ao metrô e aos ônibus convencionais. O transporte terá capacidade de levar 31 mil pessoas por hora, em horários de pico.


Os veículos utilizados pelo sistema serão articulados e com capacidade para 170 passageiros. As portas terão comprimento máximo de 23 metros. Os veículos vão operar com velocidade comercial de 25 a 40 km/h.


Grupo também questiona tamponamento dos rios — Foto: Reprodução/TV Bahia
Grupo protesta contra derrubada de árvores com obras do BRT — Foto: Reprodução/TV Bahia