Sem combustível, ônibus de transporte metropolitano amanhecem sem operar em Salvador e região

Coletivos da Bahia Transporte Metropolitano (BTM) circulam na capital e nas cidades de Lauro de Freitas e Camaçari, e atende mais de 30 mil passageiros. Por g1 BA e TV Bahia


Publicado no G1BA


Sem combustível, ônibus de transporte metropolitano amanhecem sem operar em Salvador e região — Foto: Almir Santos/TV Bahia

Os ônibus da empresa Bahia Transporte Metropolitano (BTM), que circula entre as cidades de Salvador, Lauro de Freitas e Camaçari, na região da capital, amanheceram sem rodar na manhã desta segunda-feira (14), por falta de combustível. Mais de 30 mil passageiros são afetados.

Sem o óleo diesel, cerca de 40 ônibus – que fazem 19 linhas – não puderam sair da garagem. Nesta segunda, a primeira viagem deveria ter saído às 4h20. Rodoviários contam que chegaram para trabalhar, e encontraram um número menor de veículos no pátio da BTM, que fica em Lauro de Freitas, mas não detalharam a frota total e nem quantos estão faltando.

Os trabalhadores alegam que não receberam explicações da empresa, referentes ao abastecimento dos veículos e do retorno dos outros à garagem. A empresa BTM ainda não se pronunciou sobre a situação e não há previsão para que o serviço retorne.

A BTM opera desde 2017. Segundo funcionários, a empresa passa por dificuldades financeiras há alguns meses. Um dos motoristas, identificado apenas como Marcos, disse temer pelos empregos dos trabalhadores.

“É uma situação desesperadora, porque a gente não tem, no momento, uma resposta plausível para os colegas que estão aqui e a gente não está sabendo o futuro o que é que vai acontecer aqui. Já vem um período faltando combustível, mas de forma geral, essa é a primeira vez. Até agora não tem posição nenhuma vinda da empresa, e a gente está angustiado por causa disso, e também sem saber o futuro de cada trabalhador que está aqui”, lamentou ele.

Marcos revelou também que os salários e direitos trabalhistas dos rodoviários têm sido afetados, por causa da falta de recursos da empresa.

"O salário vem atrasando, mas não chega a vencer dois meses. A gente tem 16 dias com o salário atrasado, os tíquetes foram pagos ontem, por força do sindicato. Mas tem muitos funcionários que não receberam os tíquetes ainda”.

Outro motorista, identificado apenas como Elvis, também se queixou da situação e disse que, apesar das dificuldades, os rodoviários seguem trabalhando.

“Os ônibus, na verdade já são ultrapassados, mas diante de tudo isso, a gente procura sempre dar o nosso melhor, com responsabilidade, atendendo a população e fazendo a nossa parte profissional. Nós, como profissionais, vivemos disso, e a gente precisa dar o nosso melhor. Mas a empresa vem com decadência, e hoje a gente vem trabalhar, no nosso emprego, e a gente encontra os veículos sem diesel e deficiência também na frota. Alguns saíram, disseram que ia levar para abastecer, mas não voltaram mais”.

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) informou que pediu a outras empresas integrantes do sistema que cubram parcialmente as linhas operadas pela BTM, até que a situação seja regularizada, para a população não ficar sem o serviço.

O órgão informou ainda que adotará medidas administrativas em relação à empresa. Essas medidas podem variar de multas pelo não cumprimento dos horários estabelecidos, até a substituição da empresa através da licitação emergencial.