Secretário de mobilidade cita integração com metrô para justificar passagem mais cara em Salvador

Ele ainda explicou que há um desequilíbrio na divisão da tarifa entre metrô e ônibus e ressaltou os investimentos de quase R$ 400 milhões da Prefeitura no sistema.


Publicado no Metro1

Jefferson Peixoto / Secom PMS

O reajuste tarifário do último sábado (4) deixou Salvador com a passagem de ônibus mais cara do Nordeste: R$ 4,90. O secretário municipal de Mobilidade, Fabrizzio Muller, afirmou nesta segunda-feira (6) que Salvador é uma das poucas cidades em que é possível fazer integração entre ônibus e metrô sem nenhum custo adicional para o usuário.


Ele ainda explicou que há um desequilíbrio na divisão da tarifa entre metrô e ônibus, voltou a ressaltar os investimentos de quase R$ 400 milhões da Prefeitura no sistema.

“Salvador é uma das poucas capitais que também fazem integração com o metrô sem nenhum custo adicional. Em outras cidades, o valor da passagem pode até ser mais baixo, mas as pessoas precisam pagar um adicional para fazer a integração. Aqui, a pessoa, através do bilhete único, consegue pegar, pelo mesmo valor, dois ônibus e o metrô para fazer o seu deslocamento. Por isso também existe esse valor, que é de integração”, frisou.

Fabrizzio Muller ainda explicou que há um desequilíbrio na integração entre metrô e ônibus. “O metrô acaba ficando com 61% do valor da tarifa, enquanto o sistema de ônibus fica com R$ 39%. Sendo que o sistema de ônibus tem uma operação mais cara, mais complexa e não conta com isenção do ICMS do combustível, enquanto o metrô conta com isenção do ICMS da energia elétrica. Ou seja, os ônibus alimentam o metrô, mas acabam ficando com uma parcela inferior do valor da tarifa. Há um desequilíbrio muito claro”, reforçou.


O Metro1 procurou a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) do governo do Estado, responsável pelo Metrô, para comentar as declarações de Fabrício Muller e aguarda retorno.