Primeira árvore retirada para obra do BRT é replantada no Parque da Cidade

Atualizado: 29 de nov. de 2021

Operação de transplante de arbusto de 1,5 t durou mais de 2h; veja vídeo. Por Raquel Saraiva


Publicado no Jornal Correio*

Já pensou uma árvore de mais de uma tonelada e 7 metros de altura sendo retirada da terra, içada no ar, transportada em um caminhão e replantada com sucesso em um novo espaço? Isso aconteceu na tarde desta terça-feira (24) em Salvador, quando foi retirada a primeira árvore para a construção do BRT. O procedimento, que levou 2h30, foi considerado bem sucedido pela equipe que trabalhou no local.

"Quando o transplantio é feito da forma correta, a chance de sucesso é de 100%. E é esse resultado que a gente espera para o transplantio das 169 árvores", explica Felipe Cerqueira, engenheiro responsável pelo procedimento.

O primeiro espécime escolhido para ser transplantado foi um coqueiro com cerca de 7 metros de altura, das raízes às extremidades das folhas, e pesando 1,5 tonelada.

E mesmo árvores maiores, pesando dez toneladas ou mais, podem ser transplantadas. No mundo todo o transplantio é realizado para permitir a execução de obras de urbanização sem que haja perda das árvores e de seus benefícios dentro da cidade. No Brasil, cidades como Brasília (DF), Curitiba (PR) e João Pessoa (PB) já realizaram o procedimento.

Em Salvador, três palmeiras imperiais com mais de 10 metros de altura foram levadas da Avenida Tancredo Neves, onde foi construída uma passarela, e levadas para a Avenida Vasco da Gama, onde estão até hoje.

Outra ação idêntica foi também realizada com o translado de oito palmeiras imperiais que saíram da Avenida Paralela e foram replantadas na nova Praça João Mangabeira, nos Barris.

Ainda pela manhã, uma equipe de técnicos acompanhada do engenheiro calculou o tamanho das raízes e delimitou o torrão, a porção de terra retirada junto com a raiz, sem danificá-la.

"Quanto maior o torrão retirado junto com a planta, maior a probabilidade de sucesso do transplante", diz Felipe Cerqueira. O processo de retirada, suspensão, transporte e replantio é delicado e dura entre 2h e 3h.

Coqueiro é colocado em novo local no Parque da Cidade (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Processo

Para que o torrão não se quebre, o caminhão que transporta a planta tem que se deslocar a uma velocidade de 20 km/h ou no máximo 30 km/h até o local onde as plantas serão transplantadas. No processo, algumas partes da planta foram protegidas por uma manta.

"Nós protegemos as folhas para não desidratar no transporte e o torrão porque precisa ser conservado, assim como a estirpe [como é chamado o tronco do coqueiro]", diz Fabrício Patrício, gerente de operações da Eco Irrigação e Jardim, empresa responsável pelo transplantio.

O coqueiro será tutorado ainda com auxílio de escoras de madeira para que fique firme no solo até que as raízes se fixem no novo local. A planta será acompanhada por dois anos depois do plantio, período no qual serão realizadas podas, adubações e irrigações até a total adaptação. Todas as outras árvores replantadas também terão esse cuidado, previsto no Manual Técnico de Arborização Urbana de Salvador, lançado pela prefeitura em 2017.

Transplantio No total, 169 árvores serão transplantadas e outras 154 serão suprimidas. A prefeitura planeja plantar duas mil árvores para compensar a supressão dos vegetais, seguindo o que determina o Plano Diretor de Arborização Urbana de Salvador, em vigor desde 2017.

“A supressão é dada na área que será diretamente afetada pela implantação do equipamento, doravante esta premissa, analisamos os tecnicamente os indivíduos vegetais que obtém características favoráveis ao transplantio como forma de mitigar essa quantidade de supressão”, explica Samir Abdala, gerente de licenciamento ambiental da Sedur.

Cerca de 45% das árvores retiradas para a passagem do BRT serão plantadas no Parque da Cidade, como o coqueiro desta terça. O restante será plantado no entorno dos corredores por onde vai circular o BRT, na Avenida ACM.

A preparação começa com antecedência, pelo menos 30 dias antes do transplantio, quando a árvore passa por uma poda que deve reduzir a copa de 30% a 50%. No Parque da Cidade, o berço onde o coqueiro foi transplantado já estava preparado e escavado. Após a escavação, o local foi adubado e irrigado.

Veja como as 169 árvores da região do BRT serão transplantadas

1 - Preparação: A árvore passa por uma poda que deve reduzir a copa de 30 a 50%. Essa primeira etapa começa pelo menos 30 dias antes do transplantio.

2 - Proteção: É aplicada uma solução para evitar a instalação de fungos e, em seguida, abre-se uma canaleta em volta da árvore, que deve ser irrigada em abundância.

3 - Berço: A preparação do novo local de plantio do espaço onde a árvore será replantada começa com antecedência. Após a escavação, o local deve receber adubo orgânico e ser irrigado.

4 - Retirada: O procedimento é feito com uma trincheira e as etapas variam de acordo com o porte/espécie. Todo o processo de suspensão e transporte é feito com cautela para que o tronco e o torrão (bloco de terra e raiz) sejam preservados.

5 - Transplante e Desmame: Logo após a retirada e o transporte, a árvore é colocada no local que foi preparado para recebê-la e recebe um suporte para que fique firme e nivelada ao solo. Um hidrogel é misturado ao solo adubado para reter água e liberar aos poucos para as raízes da árvore. A árvore transplantada passa por uma manutenção periódica de no mínimo 18 meses, incluindo a realização de podas, adubações e irrigações até a total adaptação.