Prefeitura de Salvador aportou R$ 206 mi em concessionárias de ônibus nos últimos 4 anos

Atualizado: 14 de fev.

A prefeitura realizou pagamentos extras às concessionárias, referentes a um reequilíbrio contratual em função dos impactos gerados pela redução de passageiros durante a pandemia de Covid-19. Por Gabriel Lopes e Lula Bonfim


Publicado no Bahia Notícias

A prefeitura de Salvador aportou, nos últimos quatro anos, um total de R$ 206,8 milhões nas concessionárias de transporte público que fazem circular os ônibus da capital baiana, conforme dados da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob).


De acordo com a Semob, não houve nenhum tipo de aporte financeiro ou subsídio às empresas de ônibus da cidade em 2018 e 2019. Entretanto, tanto em 2020 quanto em 2021, a prefeitura realizou pagamentos extras às concessionárias, referentes a um reequilíbrio contratual em função dos impactos gerados pela redução de passageiros durante a pandemia de Covid-19.

A gestão municipal pagou às empresas do transporte público de Salvador um total de R$ 32 milhões em 2020 e R$ 54,8 milhões em 2021, ambos os valores referentes a reequilíbrio contratual.

Houve ainda um aporte de R$ 120 milhões referente aos custos da intervenção e da operação direta na Concessionária Salvador Norte (CSN), que teve seu contrato com o município rescindido após denúncias de irregularidades (relembre aqui). De lá para cá, a prefeitura operou a bacia até setembro, quando aconteceu a redistribuição entre as demais concessionárias do sistema.

AVALIAÇÃO


A Semob informou que tem realizado estudos, em parceria com a Agência Reguladora e Fiscalizadora dos Serviços Públicos de Salvador (Arsal), para definir “a real necessidade do sistema” diante do cenário atual de pandemia também para o período de pós-pandemia.

De acordo com a secretaria municipal, a crise da Covid-19 provocou um “sério impacto” no sistema de transporte, pois reduziu consideravelmente o número de passageiros transportados nos coletivos de Salvador.

“Estes estudos têm como objetivo principal dar maior eficiência e sustentabilidade ao sistema, que já vem passando pela reestruturação de linhas para permitir a integração com o metrô, e contará, em breve, com o início da operação do BRT e a chegada do monotrilho para o transporte no subúrbio”, finalizou a Semob.

METRÔ


Na última semana, o Bahia Notícias apurou que o governo baiano investiu R$ 183 milhões em subsídios para a operação do metrô de Salvador nos últimos quatro anos. Segundo a gestão estadual, o aporte desses valores visa garantir a política de tarifas, mantendo uma passagem única no processo de integração entre o sistema metroviário e os ônibus urbanos e metropolitanos (relembre aqui). (Atualizada às 08h44 para corrigir informação sobre a gestão das linhas da antiga CSN)