Metrô ‘calça curta’ cresceu e é terceiro maior do país

Publicado no Correio* (02/07/2021)

Foto: Manu Dias/GOVBA

Lembram do metrô “calça curta”? Pois é, sete anos depois do início da concessão para a operação do serviço à CCR Metrô Bahia e a piada ficou velha. Os seis quilômetros de trilhos que levavam “nada a lugar nenhum” – outra piada – foram ampliados e hoje Salvador conta com duas linhas em operação e está com a perspectiva de ver o sistema de transporte chegar a Cajazeiras, um dos bairros mais populosos da cidade.


“Hoje nós já somos duas linhas de metrô, servindo aos municípios de Salvador e Lauro de Freitas, com 33 quilômetros de extensão, 20 estações, oito terminais integrados de ônibus e 40 trens, com quatro carros cada, servindo nossa população”, destacou André Costa, novo presidente da CCR Metrô Bahia, ontem para o jornalista Donaldson Gomes, em sua primeira entrevista à frente do sistema de transportes. Ele foi o convidado do programa Política & Economia.


Com a pandemia do coronavírus, o número de passageiros transportados diariamente pelo metrô caiu para aproximadamente 230 mil, mas antes deste cenário a CCR Metrô ajudava mais de 400 mil pessoas a se locomoverem, conta André Costa. “Chegamos a picos de 490 mil passageiros por dia”, destaca. Nos últimos sete anos, já foram 1,3 milhão de viagens realizadas e um total de 17 milhões de quilômetros rodados.


“Hoje a queda na movimentação está oscilando entre 30, 35 e chegando a 40%, mas no pior momento, chegamos a ter uma redução de até 80% no volume de passageiros”, conta. “Houve uma retomada, mas tivemos uma segunda onda, com medidas restrititivas necessárias e agora estamos neste patamar”.


Desde o início da concessão, a CCR já investiu R$ 6 bilhões no desenvolvimento do sistema, conta André Costa, desde a conclusão da linha 1 e a extensão até Pirajá, passando pela construção de toda a linha 2. “Quando chegamos aqui tinham 6 trens, que tivemos que revitalizar, e comprar mais 34 novos trens, tudo isso para a gente trazer esse novo vetor de desenvolvimento para a região”, diz.


Andre Costa destaca que o antigo “calça curta” é hoje o terceiro maior do Brasil e já faz as contas em relação à ampliação do sistema. “Nós temos acompanhado a construção do tramo 3, que vai levar o metrô até Águas Claras e Cajazeiras, com mais duas estações e dois terminais de ônibus”, afirma. Ele ressalta que a obra de implantação é estatal, mas a empresa tem acompanhado porque será responsável pela operação do trecho. A expectativa é de que a estrutura já esteja disponível no próximo ano, calcula.


Andre Costa ressaltou a relevância do trabalho do CORREIO também nas redes sociais. Em junho, o perfil do jornal ajudou a impulsionar uma campanha da CCR Metrô pela doação de sangue, que conseguiu quase 200 mil visualizações. “É um veículo muito relevante tanto para a região quanto para o Brasil”, destacou.


Oportunidades para empreendedores

A CCR Metrô Bahia está investindo em projetos para auxiliar empreendedores que utilizam o espaço do sistema como fonte de renda. Além de relançar em breve o ‘Acelerando o seu corre’, o presidente da empresa, André Costa, anunciou ontem em primeira mão, a criação do ‘Nos trilhos do empreendedorismo’, que estará disponível no último trimestre deste ano.


Além de empregar diretamente 1,3 mil pessoas e outras 1,3 mil indiretamente, o entorno do metrô é fonte de renda para 140 empreendedores atualmente. Antes da pandemia, este número era de 200. As ações da CCR Metrô visam tanto ocupar alguns espaços que estão vazios, quando ajudar quem já está lá a melhorar a renda, explica.


“Quanto mais a gente transformar o metrô em um hub de serviços, mas ele vai deixar de ser só um meio de transporte e será percebido como um centro de desenvolvimento da região”, projeta. “Com isso vai ganhar robustez e expandir cada vez mais”.


O ‘Acelerando o seu corre’ foi uma parceria com a Karine Oliveira, da Wakanda, para a geração de renda. Foram mais de 500 inscritos para um treinamento que foi totalmente digital. “Projetos como estes ajudam outros empreendedores a crescer”, destaca. A expectativa da empresa é de que entre os meses de agosto e setembro aconteça a segunda edição do projeto.


Com o projeto que será lançado no último trimestre, a CCR pretende oferecer condições para que empreendedores explorem espaços que estão disponíveis nas estações. “A gente quer ajudar o pequeno empreendedor a conseguir ocupar um espaço mais estruturado, com uma condição comercial mais estruturada”, explica. “Nestes projetos, buscamos fomentar a geração de renda e da contribuição social”.


“A gente fala que o metrô é uma empresa de mobilidade humana. Nós acreditamos que além de servir no transporte das pessoas, permitimos que a mobilidade social aconteça. Vemos o metrô como vetor de desenvolvimento”, diz.