Governo desapropria maior área em Salvador para construção do VLT do Subúrbio

O VLT é um veículo leve de transporte monotrilho, considerado um transporte sustentável e uma alternativa aos outros meios tradicionais. Por João Brandão


Publicado no BNews

O governo da Bahia resolveu desapropriar a maior área para construção do VLT do Subúrbio até agora. Conforme publicação no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (17), ficam declaradas de utilidade pública um terreno que mede 83,2 mil m².

O VLT é um veículo leve de transporte monotrilho, considerado um transporte sustentável e uma alternativa aos outros meios tradicionais.

Segundo o texto, fica a Companhia de Transportes do Estado da Bahia, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Urbano, autorizada a promover os atos administrativos e judiciais, se necessário em caráter de urgência, para desapropriar a área.

Nesta semana, a adminitração estadual desapropriou uma grande área em Salvador para construir uma subestação do projeto do VLT/Monotrilho do Subúrbio. De acordo com o Diário Oficial do Estado desta quarta (15), o Estado decretou de utilidade pública uma área de terra de 6,6 mil 2m², na Avenida Afrânio Peixoto, bairro de Bela Vista do Lobato.

Em março deste ano, o governo da Bahia também desapropriou uma área de 5 mil m² na Avenida Beira Mar do Lobato, no bairro Lobato,em Salvador, para implantação da subestação primária - SE02 para alimentação elétrica do modal.

Em abril, a administração estadual apresentou o primeiro trem do sistema VLT, que será instalado no Subúrbio, que foi finalizado na fábrica da BYD, na China. Todo o sistema é feito em uma parceria público-privada entre o Governo do Estado e a Skyrail Bahia. A expectativa é de que as duas linhas com 25 paradas beneficiem cerca de 600 mil pessoas que vivem hoje na região do Subúrbio.

Leia mais: Secretário se defende e diz que marisqueiros e "pessoal do peixe" não utilizavam trens no Subúrbio

Despedida: Trem no Subúrbio faz última viagem após 170 anos de funcionamento; assista

Trem do Subúrbio deixa de operar para o início das obras do VLT

Tiago Ferreira afirma que VLT causará mais de 2 mil demissões e cobra resposta do Governo do Estado e da PMS