Governo alienará imóveis e terrenos públicos para bancar Ponte Salvador-Itaparica

Publicado no Bahia.ba


Entre bens pertencentes ao estado que serão alienados estão o Detran e o antigo Centro de Convenções da Bahia. Por André Carvalho e Chayenne Guerreiro

Foto: Matheus Morais/bahia.ba

Parte do aporte de R$ 1,5 bilhão que o governo do estado da Bahia irá investir na construção da Ponte Salvador-Itaparica virá do leilão de imóveis públicos, como o Detran e o antigo Centro de Convenções da Bahia. A afirmação é do governador Rui Costa (PT), que conversou com jornalistas na tarde desta segunda-feira (16) no Salão de Atos da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), durante o lançamento da 5ª edição da revista Terra Mãe.

“Vamos alienar muito imóveis do estado. O estado tem imóveis e fazendas que estão há muitos anos sem uso e esses imóveis serão alienados. Tem muita área, muita terra que o estado não usa para nada. Muitas delas ao longo do anos foram invadidas porque o estado não tem a função de ser um latifúndio enorme. Então nós vamos alienar essas propriedades que hoje não tem nenhuma função social e transformar isso em investimento”, explicou o governador.

Rui Costa citou o terreno do Detran, próximo à Rodoviária, e o antigo Centro de Convenções da Bahia, no bairro do Stiep, como alguns dos bens pertencentes do poder público que serão alienados para fazer caixa. “Temos vários imoveis valiosos na capital e no interior que vão a leilão, sendo transformados em investimentos, já que muitos deles vão acabar, mais cedo ou mais tarde, sendo invadidos se não derem uma finalidade”.

O petista frisou que uma outra parte do montante que será investido na ponte virá por meio de financiamentos – os outros R$ 4,5 bilhões referentes à construção da ponte será bancado pelo consórcio chinês vencedor da licitação, formado pelas empresas China Railway 20 Bureau Group Corporation – CR20; CCCC South America Regional Company S.Á.R.L – CCCC SOUTH AMERICA e China Communications Construction Company Limited – CCCCLTD.

“A ponte é um grande empreendimento e irá gerar emprego e renda o Baixo-Sul, no Recôncavo, no Sul do estado. Nós vamos presenciar juntos, ao longo dos próximos cinco, seis, sete anos, um volume grande de investimento da iniciativa privada e do setor público naquela região. Seja em hotéis, pousadas, restaurantes, shoppings, lojas, construções de moradias. Vamos ter um boom de investimento e isso é bom porque vai gerar emprego para toda a região e vai fazer com que a Bahia diminua suas desigualdades”, disse.