29.11.21 | Salvador, cidade movente: corpos dissidentes, mobilidades e direito à cidade

Atualizado: Nov 23

Defesa de tese de doutorado sobre mobilidade no Centro de Salvador será transmitida pelo IHAC Digital.


“Salvador, cidade movente: corpos dissidentes, mobilidades e direito à cidade”. Esse é o nome da tese de doutorado, de autoria de Marcelo de Trói, que será defendida no dia 29 de novembro de 2021, a partir das 14h, com transmissão no canal do IHAC Digital. O candidato ao título de doutor, pelo Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade (Pós-cultura), foi orientado pelo professor Leandro Colling e é integrante do NuCuS – Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades, vinculados ao Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos (IHAC), da Universidade Federal da Bahia.


A investigação durou 32 meses, com a utilização de mais de 300 livros, documentos e artigos, um ano de pesquisa nos arquivos da Biblioteca Pública dos Barris e do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, além de um extenso trabalho de campo. O resultado está em 337 páginas da tese em que Marcelo de Trói narrou a história sociocultural do Centro Antigo de Salvador a partir da mobilidade. O autor pensou as mobilidades em Salvador através de diversas dimensões. “Na dimensão da locomoção, nós vamos ter os bondes, ônibus, ascensores. Na dimensão do direito à cidade, temos diversos conflitos envolvendo a mobilidade como o Quebra-Bondes, de 1930, o Quebra-Quebra, de 1981, ou a Revolta do Buzu, de 2003. Na mobilidade como manifestação da cultura, eu aglutinei a Festa da Independência, a Mulher de Roxo e o Carnaval, dentre outros”, explica.


“Pensar a mobilidade, a maneira como pessoas e coisas transitavam por esse território, foi a minha principal metodologia. A investigação tem um forte caráter histórico, alicerçado no materialismo e totalmente multidisciplinar. Usei como base teórica os estudos da chamada Escola de Lancaster que enxerga a mobilidade como um fenômeno que vai além da locomoção e que estrutura relações, compõe subjetividade e cria uma esfera social na qual se desenrolam as interações socioculturais”, afirma o pesquisador.


A banca examinadora será formada pelas professoras e professores doutores/as: Ana Fernandes (FAUFBA), Eduardo Rocha Lima (FAUFBA), Andréa Ventura (Escola de Administração da UFBA/ Painel Salvador de Mudança do Clima) e Felipe Milanez (Pós-cultura/IHAC). Para o professor Leandro Colling, orientador e presidente da banca, a pesquisa desenvolvida pelo doutorando oferece uma grande contribuição ao campo de estudos sobre as cidades ao criar relações com os estudos das dissidências sexuais e de gênero. “Marcelo ampliou o conceito de corpos dissidentes, inicialmente pensado por ele na dissertação de mestrado, também defendida no Pós-cultura, para perceber como esses corpos resistiram e ainda resistem para ter o direito a se locomover na cidade. Outro elemento fundamental da tese é a ideia de carrocracia, de como o carro impactou as nossas cidades”, destaca.


Além da pesquisa em Salvador, Marcelo complementou a investigação na cidade de Lisboa quando realizou o doutorado sanduíche no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, sob a coorientação da professora Susana Batel, com financiamento da Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, em 2020. “Apesar de fazer uma investigação à parte com foco na arte urbana e na mobilidade, eu aproveitei esses nove meses para consultar alguns arquivos em Lisboa, notar algumas semelhanças históricas entre as duas cidades, escrever um capítulo e estruturar a tese. Unidas pelo mundo colonial, Lisboa e Salvador são cidades irmãs, com topografias semelhantes, e enfrentaram desafios ligados à mobilidade desde a fundação”, completa de Trói.


Outra parte do referencial teórico da pesquisa foi criada dentro do NuCuS, mais especificamente na linha de investigação “Cidades, corpos e territorialidades dissidentes”. “As mobilidades determinam a nossa maneira de estar no mundo, de ocupar e transitar pela cidade. Como esfera social, elas também agregam diversos conflitos sociais e são índices de marcadores sociais como classe, gênero e raça. Também precisamos lembrar que as mobilidades alteraram o espaço urbano de Salvador e são determinantes na discussão sobre a mudança climática”, completa Trói. Sobre o NuCuS


O NuCuS foi criado há 14 anos como Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (CuS) e é um dos pioneiros nos estudos científicos sobre os papeis das culturas nas questões que envolvem os gêneros e as sexualidades. Atualmente, o NuCuS possui seis linhas de pesquisa e extensão: (1) Estudos Trans, Travestis e Intersexo, (2) Artes, Gêneros e Sexualidades, (3) Lesbianidades, Feminismos e Interseccionalidades, (4) Gênero e Sexualidade na Educação, (5) Processos de subjetivação, raça, gênero e sexualidade e (6) Corpos, Cidades e Territorialidades Dissidentes. Cerca de 70 pessoas são integrantes do núcleo, desenvolvendo pesquisas científicas, atividades de extensão e ativismos no campo do gênero e da sexualidade e suas mais diversas interseções.


SERVIÇO

O quê: Defesa pública da tese de doutorado do candidato ao título de doutor Marcelo de Trói Quando: 29 de novembro de 2021 – 14h Onde: No canal do IHAC Digital https://ihacdigital.ufba.br/


Siga o NuCuS nas redes sociais: Twitter twitter.com/cusBahia | Facebook: facebook.com/grupocusbahia | Instagram: @nucus_ufba Site www.politicasdocus.com

#MarinaVive #pedalecomoMarina